Santa Dulce dos Pobres, a primeira santa brasileira

 em Notícias

Ainda beata, Dulce dos Pobres foi homenageada nos corredores da ExpoCatólica

No último domingo, 13 de outubro, o Brasil foi presenteado com uma nova santa, a “Santa Dulce dos pobres”. A beata Irmã Dulce que ajudou gerações de pobres da Bahia foi canonizada por Papa Francisco, no Vaticano.

A canonização emocionante e cheia de brasileiros começou às 5h15 da manhã (horário de Brasília) e teve a apresentação da história dos novos santos, de suas relíquias — que são provas de suas passagens pela Terra —, e finalmente da canonização.

Leia mais:
Ruas da ExpoCatólica irão homenagear mulheres que fizeram a diferença na evangelização

Quem foi a Dulce dos pobres?

Nascida em 26 de maio de 1914, em Salvador, recebeu o nome de Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes. A vocação para trabalhar em benefício da população carente teve a influência direta da família, uma herança do pai que ela levou adiante, com o apoio decisivo da irmã, Dulcinha.

Em 08 de fevereiro de 1933, logo após a sua formatura como professora, Maria Rita entra então para a Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, na cidade de São Cristóvão, em Sergipe. Em 13 de agosto de 1933, recebe o hábito de freira das Irmãs Missionárias e adota, em homenagem a sua mãe, o nome de Irmã Dulce.

Irmã Dulce foi reconhecida por suas obras em prol ao povo pobre da Bahia. No ano de 1988, a religiosa foi indicada pelo então presidente da República, José Sarney, com o apoio da Rainha Sílvia, da Suécia, para o Prêmio Nobel da Paz. Oito anos antes, no dia 7 de julho de 1980, Irmã Dulce ouvia do Papa João Paulo II, na sua primeira visita ao país, o incentivo para prosseguir com a sua obra.

A religiosa deixa este mundo em 13 de março de 1992, pouco tempo antes de completar 78 anos. No velório, na Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia, em Salvador, políticos, empresários, artistas, se misturavam a dor de milhares de pessoas simples e anônimas. A fragilidade com que viveu os últimos 30 anos da sua vida – tinha 70% da capacidade respiratória comprometida – não impediu que ela construísse e mantivesse uma das maiores e mais respeitadas instituições filantrópicas do país, uma verdadeira obra de amor aos pobres e doentes.

Homenagens

Em julho, durante a ExpoCatólica, Santa Dulce dos Pobres, na época ainda denominada Beata Irmã Dulce, foi homenageada pelas ruas da feira, juntamente com outras mulheres que doaram sua vida pela Igreja e pelas obras de caridade. A feira, considerada atualmente como a maior no segmento de artigos e serviços para a Igreja Católica, destacou a importância que essas mulheres, em especial a Irmã Dulce, tiveram para com as obras de evangelização da Igreja.

Santa Dulce dos Pobres foi homenageada na rua 3 da ExpoCatólica

Oração a Santa Dulce dos Pobres

Senhor nosso Deus,

lembrados de vossa filha,

a santa Dulce dos Pobres,

cujo coração ardia de amor por vós e pelos irmãos,

particularmente os pobres e excluídos,

nós vos pedimos:

dai-nos idêntico amor pelos necessitados;

renovai nossa fé e nossa esperança

e concedei-nos, a exemplo desta vossa filha,

viver como irmãos,

buscando diariamente a santidade,

para sermos autênticos discípulos missionários

de vosso filho Jesus.

Amém.

Últimos Artigos

Faça um comentário

Passagem Aérea
Trielotur pelo Mundo: Giovanna Castro e Ana Julia Pettini abordam o tema ‘Viajar é um prazer que também cura’TrieloturTur Pelo Mundo: Você sabe como funciona a evangelização nas peregrinações?